Foto: Vida ONGD

“Fotografar é dar vida” é o nome de uma exposição fotográfica itinerante, que poderá ser conhecida na Biblioteca Municipal Laureano Santos, em Rio Maior, a partir das 15h00 desta sexta-feira, 16 de abril. A mostra torna-se numa realidade porque “um grupo de mulheres guineenses”, entre elas “mães e líderes”, recorreram à fotografia no âmbito de um projeto dedicado à “redução das taxas de mortalidade materno-infantil” e à “capacitação de mulheres para a participação comunitária na gestão financeira dos serviços de saúde”.

A iniciativa arrancou com uma campanha de angariação de câmaras fotográficas em Portugal e no Brasil. As câmaras doadas foram depois enviadas para a Guiné-Bissau e usadas num workshop de fotografia participativa em 2016, nas comunidades de Varela e Suzana, tendo resultado numa exposição de fotografia itinerante.

A mostra conta com registos captados por 28 fotógrafas, e dá resposta a questões como – “O que é ser mãe? O que é necessário para garantir a saúde? Quem é responsável pela educação? Como é que se garante a higiene?” O projeto “Fotografar é dar vida” foi dinamizado pela ONGD portuguesa Vida, em colaboração com os Bagabaga Studios. O projeto contou com o financiamento do Instituto Camões e da Fundação Calouste Gulbenkian. As câmaras fotográficas doadas continuam hoje a ser utilizadas pelas fotógrafas guineenses.

Tagged: