dinheiro

As remessas de dinheiro que os migrantes enviam para os seus países de origem para sustentar as suas famílias deverão sofrer uma quebra de cerca de 88 mil milhões de euros, o que equivale a mais de 20 por cento da quantia total destinada por estes trabalhadores, segundo estimativas do Banco Mundial.

A diminuição de remessas pode causar problemas como fome, desistência escolar e deterioração dos cuidados de saúde para dezenas de milhões de famílias, e por isso, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, aproveitou o Dia Internacional de Remessas Familiares, que se assinala esta terça-feira, 16 de junho, para pedir apoio para os migrantes nesta época de crise.

Guterres lembrou que 200 milhões de migrantes, regularmente, mandam dinheiro para casa. E que, em todo o mundo, 800 milhões de famílias em países em desenvolvimento dependem destes recursos para sobreviver. Com milhões de migrantes desempregados por causa da pandemia, muitas destas pessoas podem ser lançadas para o limiar da pobreza.

O ano passado, o volume de remessas atingiu um recorde que quase 500 mil milhões de euros, mas com a atual crise provocada pela pandemia, prevê-se o “declínio mais acentuado da história recente”, num setor que o líder da ONU considera como “motor da economia global”.

Tagged:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *