Dezenas de homens cumprem a tradição, a 15 de Março. Eles fazem o “amentar das almas”, o que consiste em, através de cânticos e rezas pelas ruas, tentar libertar as almas do Purgatório
Dezenas de homens cumprem a tradição, a 15 de Março. Eles fazem o “amentar das almas”, o que consiste em, através de cânticos e rezas pelas ruas, tentar libertar as almas do Purgatórioassim, grupos de cantares de Santo amaro de azurara, de alcofra e de Loumão (Vouzela) e de abravezes (Viseu), com 13 ou 15 homens cada (tem de ser número ímpar) vão encontrar-se, a partir das 21h, no Largo da Misericórdia, em frente à Igreja. Será criado um ambiente diferente, apagando os candeeiros eléctricos e colocando velas e cada grupo cumprirá o ritual de encomendar as almas dos irmãos à sua maneira, cantando e rezando, adianta Luís Filipe, do Centro Cultural distrital de Viseu, uma das entidades que promove a iniciativa, em parceria com o grupo cultural de Santo amaro de azurara.
Não será um espectáculo para aplaudir, mas sim um momento para reflectir , apontou o responsável. Uma das frases habitualmente ditas é: alerta, alerta, a vida é curta e a morte é certa . De fora deste ritual tradicional ficam as mulheres que, apenas participam, na quinta e sexta-feira santas, a rezar as Verónicas e os Martírios.
No concelho de Vouzela, o grupo anda de porta em porta,vai às habitações onde sabe que houve mortes recentemente e pede autorização para cantar . é feito um peditório e entregam o dinheiro que conseguem ao padre para rezar missa pela alma dos mortos , explicou.
Já em abravezes, no concelho de Viseu, cantam nas encruzilhadas, junto às alminhas, e vão até ao cemitério, onde fazem o último canto , contou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *