Ninguém sabe bem quem lançou o apelo. Mas a mensagem anónima está a circular há várias semanas pelas caixas de correio electrónico.
Ninguém sabe bem quem lançou o apelo. Mas a mensagem anónima está a circular há várias semanas pelas caixas de correio electrónico. Hoje, entre as 19h55 e as 20h00, será possível saber até que ponto teve sucesso o convite para que todos apaguem as luzes e desliguem aparelhos eléctricos durante cinco minutos – para o nosso planeta respirar , segundo a mensagem.
Uma iniciativa semelhante ocorreu há um ano, mas tinha um rosto claro. Foi lançada pela aliança para o Planeta, uma coligação hoje com 82 organizações ambientalistas, sobretudo francesas. a data – 1 de Fevereiro – tinha uma razão de ser. No dia seguinte, o Painel Intergovernamental para as alterações Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) divulgaria, em Paris, o seu quarto relatório quinquenal sobre o aquecimento global, reforçando a culpa humana.
Em França, naqueles cinco minutos, houve uma quebra de um por cento no consumo de electricidade, o que equivale à participação de sete milhões de pessoas. Paris apagou as luzes da Torre Eiffel.
Para hoje, a Câmara de almada chegou a cogitar associar-se ao apelo anónimo. Mas 70 por cento da electricidade consumida no concelho serve à iluminação pública, que a autarquia foi aconselhada a não desligar, por razões técnicas. Desligar os paços do concelho não chega. Tinha de ser algo mais importante , afirma Catarina Freitas, chefe do Departamento de Estratégia e Gestão ambiental Sustentável.
a Rede Eléctrica Nacional (REN) não vê com agrado o apelo ao apagão. Uma adesão maciça poderia provocar instabilidades no sistema de distribuição de electricidade. amarante Santos, gestor de sistemas da REN, compara um apagão súbito ao acto de se tirar o pé da embraiagem de um automóvel, enquanto se carrega no acelerador. O motor passa a funcionar com mais força , afirma.
a associação ambientalista Quercus também não aprova a ideia. Esse tipo de iniciativa não representa ganhos ambientais , afirma o seu presidente, Hélder Spínola. aconselhamos as pessoas a adoptarem medidas de poupança de electricidade ao longo do tempo.
Para o fim de Março está agendada outra acção semelhante, mas potencialmente com maior impacto. É a Hora da Terra, suportada pela organização internacional ambientalista WWF. a luz será desligada, em várias cidades, durante sessenta minutos, e não apenas cinco.
a primeira edição, no ano passado, envolveu apenas Sydney, na austrália. Cerca de 2,2 milhões de pessoas participaram e o consumo eléctrico baixou dez por cento naquela hora. Para este ano, participarão mais de duas dezenas de cidades, entre elas Copenhaga, Toronto, Chicago, Melbourne, Telavive e Manila.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *