a Rede Fé e Justiça Europa-África (aEFJN) divulgou um documento de caracterização da saúde em África e a qualidade dos medicamentos para a prevenção e tratamento da malária
a Rede Fé e Justiça Europa-África (aEFJN) divulgou um documento de caracterização da saúde em África e a qualidade dos medicamentos para a prevenção e tratamento da maláriaInformação sobre os medicamentos utilizados na prevenção e tratamento da malária consta de duas partes. Na primeira são apresentados os resultados de um inquérito realizado em Setembro de 2006 aos missionários e missionárias que trabalham na área da saúde.
Dos 20. 000 missionários a trabalhar em África, houve 87 respostas ao questionário que correspondem a 167 instituições de saúde. Estas instituições abrangem 5. 289 camas e atendem a cerca de 66. 362 pacientes por dia.
Segundo o relatório todas estas instituições dependem das igrejas, excepto duas que dependem de sociedades privadas (Gécamines e Formulas na R. D. C. ). a informação recebida, por vezes muito incompleta, revela que estas instituições têm 343 médicos, 91 farmácias, 1679 enfermeiras, 53 parteiras, 146 assistentes de laboratório.
Na segunda parte do documento é feito um estudo sobre a qualidade dos medicamentos para a malária. Tem como objectivo fazer uma lista discriminada dos anti-palúdicos e referenciar o nível de qualidade das companhias produtoras válidas em cada país.
É um documento fundamental para quem quer combater uma das doenças mais mortíferas da humanidade, adianta a aEFJN.
Os resultados indicam que o pessoal de saúde devia ter formação sobre os medicamentos que têm de receitar: saber os seus nomes, genéricos e comerciais, o nome das empresas farmacêuticas válidas que os produzem, a sua qualidade, os riscos envolvidos no seu uso e as datas de validade.
Os pacientes, por seu turno deviam ter formação sobre a necessidade de se curarem com medicação de qualidade. além de ser necessário persuadi-los a não comprar medicamentos em mercados locais nem nas ruas e a seguir as instruções dadas pelo pessoal de saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *