O grupo “Católicos socialistas”, constituído no interior do Partido Socialista lamenta que o dinheiro dos impostos tenha servido para o Serviço Nacional de Saúde executar “mais de seis mil abortos”
O grupo “Católicos socialistas”, constituído no interior do Partido Socialista lamenta que o dinheiro dos impostos tenha servido para o Serviço Nacional de Saúde executar “mais de seis mil abortos”O porta-voz do grupo, Cláudio anaia disse à agência Lusa que, desta reunião saiu uma proposta de que na declaração de IRS, os contribuintes possam escolher (… ) que o respectivo imposto não seja para interrupções voluntárias da gravidez .
O objectivo é que haja um espaço na declaração para dizer que se prefere que o dinheiro do imposto seja canalizado para instituições pró-vida . Da reunião realizada numa casa particular em Setúbal, onde terão estado 22 dos 50 elementos do grupo, foi dado conta que os abortos clandestinos continuam e que o número de mulheres portuguesas a irem a Badajoz para abortar aumentou .
Cláudio anaia adianta também que o grupo apela à nova ministra que acabe com a política de fechar maternidades no interior do país e apoiar clínicas de aborto em Lisboa . Manifestam ainda a satisfação pelo afastamento de Correia de Campos por ter permitido que as mulheres que interrompem voluntariamente a gravidez não tenham de pagar taxas moderadoras, uma autêntica injustiça para com as pessoas que estão verdadeiramente doentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *