O padre Miguel Kamau da diocese de Nakuru foi retirado do veículo em que viajava e morto a sangue frio unicamente por pertencer à tribo Kikuyu
O padre Miguel Kamau da diocese de Nakuru foi retirado do veículo em que viajava e morto a sangue frio unicamente por pertencer à tribo KikuyuOntem sábado dia 26 de Janeiro um grupo de jovens das tribos Kalenjin armados de paus e machetes assassinaram na estrada entre Nakuru e Eldama Ravine o padre Kamau de 41 anos de idade, vice-reitor do Seminário Filosófico de Tindinyo, não obstante saberem que ele era padre e não tinha nada a ver com a violência dos últimos tempos.
Esta morte é só uma das quase mil que no último mês assolaram o Quénia e demonstra que as divisões e rivalidades tribais se estão exasperando em vez de se acalmarem. Torna-se cada vez mais evidente que as eleições de 27 de Dezembro foram apenas o rastilho que fez explodir a bomba do tribalismo, bomba essa que explodiria fosse qual fosse o resultado eleitoral.
Kofi annan, antigo secretário-geral das Nações Unidas confirmou ontem mesmo em Nakuru que se estão a praticar no país incríveis violações dos direitos humanos; um autêntico genocídio.
Se até agora as vítimas desta limpeza étnica eram sobretudo membros da etnia Kikuyu, em Nakuru ontem muitos dos mais de 50 mortos eram membros de outros grupos tribais. Isto mostra que os Kikuyus se estão organizando e passando ao contra ataque especialmente através do famoso grupo Mungiki, uma autêntica máfia que não olha a Maios. Estamos a um passo da guerra civil e parece que ainda ninguém está convencido que a chaga que feriu este povo se está a transformar em gangrena. Em Nairobi vive-se uma calma aparente. Mas qualquer pequeno rastilho pode desencadear autênticas chacinas.
Vêm-me à mente as lamentações de Jeremias acerca dos desastres que nos seus dias vitimaram o povo de Israel. Sim, o Senhor está permitindo que nos acometam desgraças sem fim. Uma inteira nação é refém de interesses políticos e tribais cujo resultado será a fragmentação do país e cujo salário é a morte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *