a intervenção dos centros de apoio à vida não se deve esgotar apenas no apoio às grávidas, defendeu Joana Vasconcelos durante o XX Encontro nacional da Pastoral da saúde
a intervenção dos centros de apoio à vida não se deve esgotar apenas no apoio às grávidas, defendeu Joana Vasconcelos durante o XX Encontro nacional da Pastoral da saúdeOs centros de apoio à vida devem ter intervenção no apoio a casais jovens (em questões como a organização da vida ou o sobreendividamento) bem como a casais em dificuldade (em matéria de aconselhamento e terapia conjugal, se necessário).
Estes centros, defendeu a especialista em Direito do Trabalho e professora na Universidade Católica podem ter um papel importante no apoio à adolescência e aos seniores bem como aos imigrantes. Em Portugal há quatro centros de apoio à vida, criados pelas dioceses. Existem em Viseu, (criado logo após o referendo ao aborto), Ermesinde, Vila Real e Braga (desde Março).
aos 600 congressistas, defendeu, entusiasticamente, o apoio da comunidade onde estes centros estão inseridos, pessoas com as mais variadas profissões e,em regime de voluntariado. as valências de apoio de cada centro terá, assinalou a docente, dependem da realidade de cada comunidade.
Certo é que há um conjunto de oito princípios, que na opinião de Joana Vasconcelos, devem existir. O fácil acesso a estes centros, a existência de abertura no acolhimento bem como a celeridade e efectividade da resposta a quem os procuram são tónicas essenciais no entender da professora. Na palestra em que foi oradora com o marido, Pedro Machete, referiu-se ainda à necessidade de articulação e optimização dos recursos existentes, ao envolvimento e seguimento dos casos, à gratuidade e confidencialidade dos serviços sempre com recurso a profissionais qualificados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *