a Libéria e a República Dominicana necessitam de ajuda internacional. No caso do país das Caraí­bas, para responder aos efeitos devastadores do furacão Noel
a Libéria e a República Dominicana necessitam de ajuda internacional. No caso do país das Caraí­bas, para responder aos efeitos devastadores do furacão Noelas Nações Unidas lançaram apelos urgentes para acções de auxílio na Libéria e na República Dominicana, este último depois da passagem devastadora do furacão Noel, que fez dezenas de mortos.
Para a Libéria, o apelo é para a recolha imediata de 64 milhões de dólares, pouco mais de 44 milhões de euros, para atender a necessidades humanitárias urgentes no país para as semanas que restam deste ano e para o primeiro semestre de 2008.
apesar de algumas melhorias em termos políticos, de segurança e de condições socio-económicas dos liberianos, as necessidades humanitárias ainda permanecem, afirmou o coordenador humanitário das Nações Unidas para a Libéria, Jordan Ryan. as necessidades passam por áreas como água e saneamento, saúde e agricultura.
Doadores já forneceram cerca de 46 milhões de dólares (31,6 milhões de euros) para o Plano de acção Comum Humanitário 2007, que foi lançado em Fevereiro deste ano, mas serão necessários 110 milhões de dólares (75,7 milhões de euros) para cumprir serviços sociais básicos dos cidadãos da Libéria, vítimas de anos de luta civil.
Já para a República Dominicana, as Nações Unidas e o Governo local apelaram hoje para que sejam doados quase 14 milhões de dólares (pouco mais de 9,6 milhões de euros) para apoiar as pessoas afectadas pela tempestade tropical Noel e as subsequentes inundações que afectaram 80 por cento do território deste país da américa Central.
O estado de emergência foi declarado a 31 de Outubro, dois dias depois do furacão ter passado pela República Dominicana, provocando grandes inundações, deslizamentos de terras e a destruição de infraestruturas.
O Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos assuntos Humanitários confirmou a morte de 85 pessoas e que há, pelo menos, ainda 48 desaparecidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *