Mais de 66 pessoas morreram afogadas, após serem forçadas a sair das embarcações por traficantes de seres humanos, no Golfo do íden
Mais de 66 pessoas morreram afogadas, após serem forçadas a sair das embarcações por traficantes de seres humanos, no Golfo do ídenO alto-Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, aCNUR já manifestou a sua preocupação já que, centenas de migrantes morrem durante travessias de barco da Somália para o Iémen.
O aCNUR adianta, citado pela rádio das Nações Unidas, que a maioria dos migrantes era de origens somali ou etíope. Os dois barcos, comandados por traficantes de seres humanos, deixaram a cidade de Boosaaso, no litoral da Somália, com 244 pessoas a bordo.
Relatos adiantam que ao chegar ao Iémen, muitos passageiros teriam sido obrigados a pular das embarcações em alto-mar , e dezenas morreram afogados. Outros contaram ao aCNUR que a tripulação de um dos barcos teria batido nos passageiros.
28 migrantes foram enterrados na praia. Engrossam o número de 440 pessoas que já morreram quando faziam a mesma travessia, em 2006. Cerca de 500 continuam desaparecidas. No ano passado, 26 mil pessoas chegaram ao Iémen atravessando o Golfo de Áden, no leste de África.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *