as detenções em Rangum não param. Durante a noite de 4 de Outubro, os militares detiveram dezenas de pessoas, levando-as para local desconhecido
as detenções em Rangum não param. Durante a noite de 4 de Outubro, os militares detiveram dezenas de pessoas, levando-as para local desconhecidoMuitas pessoas foram presas durante a noite. É difícil saber exactamente quantas pessoas foram detidas disseram residentes e a imprensa dissidente no amílcar. Durante a noite, famílias inteiras foram levadas das suas casas por militares e transportadas em camiões para local desconhecido.
a presença militar era especialmente visível na zona histórica da antiga capital da Birmânia (Myanmar). O templo de Shwedagon, grande centro espiritual, esteve particularmente na mira dos militares. Rangum viveu, há uma semana, o dia mais sangrento destas manifestações. Estas foram lideradas pelos monges budistas, para exigir a democratização do país.
O governo fala de 10 mortos, mas os grupos dissidentes afirmam que os militares mataram cerca de 200 pessoas. a BBC noticiou que monges budistas estão a tentar fugir de Rangum na sequência da repressão dos militares.
Os militares circularam em diversas zonas de Rangum com altifalantes, avisarando a população de que vão continuar as detenções. Nós temos fotografias. Vamos prendê-los , avisaram. Ibrahim Gambari, enviado das Nações Unidas, informará hoje o secretário-geral, Ban Ki-moon, sobre os resultados da sua deslocação de quatro dias à Birmânia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *