Ciclo de conferências prossegue em Lisboa sobre o “testemunho de Deus com os seis sentidos”. Em Março, há música dos filhos do patriarca
Ciclo de conferências prossegue em Lisboa sobre o “testemunho de Deus com os seis sentidos”. Em Março, há música dos filhos do patriarcaTestemunhar Deus com os Seis Sentidos: Islão e muçulmanos para além dos textos e dos exotismos é o tema da intervenção do professor universitário e coordenador dos Simpósios do Instituto Muçulmano de Londres, abdoolKarim Vadil, em mais uma conferência do ciclo sobre as Religiões dos Filhos de abraão, como tem noticiado Fátima Missionária.
Segundo a organização, o objectivo das conferências é dar a conhecer, a partir de testemunhos de crentes, as religiões de abraão por palavras que todos entendam, em que acreditam, porque acreditam e como acreditam. abdoolKarim Vadil promete hoje ir além dos textos e dos exotismos , para que crentes ou não possam saber mais da religião dos outros.
Na próxima semana, dado o fim-de-semana de Carnaval, o ciclo de conferências é interrompido, regressando a 26 de Fevereiro e 5 de Março com as correntes ortodoxa e católica do cristianismo.

O ciclo tem decorrido às segundas, sempre às 18h30, na Sala 2 da Culturgest, com entrada gratuita (é necessário apenas o levantamento de uma senha de acesso 30 minutos antes do início da sessão, no limite dos lugares disponíveis).
a 9 de Março
terá lugar o terceiro concerto integrado no ciclo Os Filhos de abraão, um acontecimento simultâneo com o ciclo de conferências que já trouxe ao palco da Culturgest os Klezmatics, com a sua música tradicional de judeus asquenazes (da Europa Central e do Leste), e o Coro de Sarténe, um coro de homens fundado em 1995 por Jean-Paul Poletti em Sarténe, na Córsega, localidade onde existe uma comunidade franciscana com fortes vínculos locais.
O concerto de Março será o primeiro em que se ouvirá música erudita, com Miguel Borges Coelho e Marta Zabaleta num recital de piano a interpretarem por uma transcrição para piano a quatro mãos, do compositor húngaro Gyorgy Kurtág, da obra de Heinrich Schütz, compositor barroco alemão, as Sete Palavras de Cristo [na Cruz] e na segunda parte a obra Visions de l’amen (Visões do Ámen) de Olivier Messiaen.