O Curso de Missiologia está esta semana a decorrer em Fátima, nas instalações dos Missionários da Consolata, com a participação de cerca de três dezenas de pessoas, entre leigos, seminaristas e religiosas, provenientes de diversas congregações. O primeiro dia de formação decorreu segunda-feira, 22 de agosto, e teve como orador António Couto, bispo da diocese de Lamego, que levou até aos participantes uma intervenção subordinada ao tema “São Lucas e a missão”.

O prelado sensibilizou os formandos para o impacto que a mensagem do Evangelho pode ter na vida de cada um e daqueles que estão à volta. “Às vezes pensamos que as pessoas vêm a ‘gritar’ atrás de nós. Não é atrás de nós. Se vierem atrás de nós, é porque Cristo está em nós, e nós esquecemo-nos disso. Às vezes pensamos que temos capacidade para fazer diversos afazeres, e talvez tenhamos, mas se faltar Cristo, as pessoas não vêm atrás de nós por qualquer coisa. As pessoas vão atrás de Jesus”, explicou.

António Couto apelou depois a uma especial atenção e cuidado que deve ser tido em consideração quando se transmite a mensagem de Cristo. “A transmissão feita na Igreja é passada e recebida mão na mão, com carinho e afeto. O que eu passo mão na mão diz-me respeito, é meu, atravessou a minha vida e vai atravessar a tua – ‘toma lá’. Não é passar um cheque ou uma nota, é passar a vida, aquilo que verdadeiramente mexe com a minha vida”, demonstrou.

O bispo de Lamego chamou depois a atenção da audiência para aqueles que se dedicam à evangelização, dando especial ênfase à missão dos catequistas. “Não importa apenas ver. Eu posso ver e virar a cara para o lado, mas eu posso ver e tornar-me servidor desta palavra. Isto é, pôr a minha vida ao serviço da palavra. É o que nos compete (…) O trabalho dos catequistas não é só saber. Importa saber, mas importa viver, arriscar a vida, dar testemunho e pôr a vida ao serviço”. O Curso de Missiologia prossegue até sábado, 27 de agosto, na Cova da Iria, procurando qualificar o missionário e a missão.

Tagged: