Daniel Bastos - Historiador

No decurso dos últimos anos o acervo bibliográfico sobre o fenómeno migratório tem sido profusamente enriquecido com o lançamento de um conjunto significativo de livros que têm ampliado o estudo e conhecimento sobre a história da emigração portuguesa.

Um dos exemplos mais recentes, que asseveram a importância destas obras na análise e compreensão da emigração nacional, encontra-se vertido no livro “Mandem Saudades, Uma Longínqua História de Emigração”, da autoria do jornalista de cinema, escritor e apresentador de televisão, Mário Augusto.

A obra, lançada no mês passado com a chancela da Fundação Francisco Manuel dos Santos, cuja missão visa promover e aprofundar o conhecimento da realidade portuguesa, procurando desse modo contribuir para o desenvolvimento da sociedade, o reforço dos direitos dos cidadãos e a melhoria das instituições públicas, aborda a história de cerca de 27 mil portugueses que, no final do século XIX e até 1913, fizeram uma longa rota de emigração para o meio do Pacífico.

O livro do jornalista português, que mais estrelas de cinema entrevistou para televisão, coincidente com a data em que há 25 anos o então jornalista da SIC revelara o seu documentário sobre a emigração portuguesa no Havai, revive a saga da emigração lusa para este arquipélago norte-americano, cuja capital e maior cidade é Honolulu.

Um fluxo migratório, que como assevera Susana Caldeira em “Da Madeira para o Hawaii: A Emigração e o Contributo Cultural Madeirense”, começou “com o primeiro grupo de 120 madeirenses que chegaram lá no dia 29 de setembro de 1878, a bordo do navio Priscilla, respondendo a uma crescente demanda de mão-de-obra para as plantações de açúcar. Depois desse primeiro embarque, milhares de madeirenses seguiram o seu sonho de uma vida melhor no que eles chamavam a Terra Nova. De longe, o maior grupo de portugueses era oriundo da Madeira tendo, assim, constituído o corpo principal dos antepassados da comunidade portuguesa”.

É nesta primeira leva de emigrantes para o Havai, que como revela o jornalista e escritor “foi para o trabalho na cana-de-açúcar num esforço duro e violento. Ao fim de duas gerações já havia médicos e advogados”, se enquadra a trajetória migratória do afamado madeirense Manuel Nunes (1843-1922), marceneiro e fabricante, considerado o inventor oficial do ukulele, afamado instrumento musical havaiano.

Figura incontornável da história da emigração madeirense no ocaso do século XIX, Manuel Nunes, tornou-se um dos mais importantes fabricantes de ukuleles e o seu inigualável labor manteve-se no mercado durante mais de quatro décadas. Sendo que, muitos dos seus instrumentos feitos à mão ostentam uma etiqueta onde se pode ler “M. Nunes, Inventor of the Ukulele and Taro Patch Fiddles in Honolulu in 1879”.

Numa época em que cada vez mais os cientistas sociais se debruçam sobre o fenómeno da emigração portuguesa, o livro “Mandem Saudades, Uma Longínqua História de Emigração”, de Mário Augusto, tem o condão de recordar e homenagear a diáspora portuguesa no Havai.

 

Tagged: