Em 30 de Outubro o jornal “Korea Herald” relatou que três pessoas cometeram o suicí­dio. Infelizmente o evento é frequente.
Em 30 de Outubro o jornal “Korea Herald” relatou que três pessoas cometeram o suicí­dio. Infelizmente o evento é frequente. a notícia continha um elemento muito particular: os três tinham-se conhecido pela Internet. Encontraram-se pessoalmente apenas no dia marcado para o suicídio. Foi o destaque do editorial da edição do dia seguinte do mesmo jornal.
Vivemos numa sociedade extremamente desgastante e competitiva. Porém, é difícil compreender os motivos que levam anualmente cerca de 14. 000 pessoas a cometerem suicídio na Coreia, com 48 milhões de habitantes. Os números têm aumentado de ano para ano a ritmo deveras impressionante. a Coreia é o país com a taxa de suicídios mais alta da ODCE (Organização para o Desenvolvimento e Cooperação Económica). Em 2005, cometeram suicídio cerca de 38 pessoas por dia.
O caso mais recente é o de quatro pessoas, com idades entre os 20 e os 30, que se conheceram na Net e planearam cometer o suicídio juntas. Encontrarem-se num parque bem no centro de Seúl. Três tomaram uma substância altamente tóxica, enquanto o quarto se arrependeu no último momento. Foi à polícia denunciar o sucedido, só após a morte dos outros três. Pequenas mensagens apresentavam os motivos: situações problemáticas: falência pessoal, divórcio eminente e tentativas falhadas de entrada na universidade.
Segundo o editorial, as possibilidades de cometerem suicídio seriam muito menores se não tivessem conseguido encontrar colegas de suicídio na internet. Dado haverem mais casos de suicídio em grupo, as autoridades suspeitam que os chamados sitos de suicídio contribuam para o problema. Caso não encontrassem outras pessoas dispostas a cometerem suicídio, é muito provável que muitas outras desistissem de o fazer.
a marca dos 10. 000 suicídios por ano foi ultrapassada em 2003 e as tentativas de se encontrar uma explicação para o aumento abrupto deste fenómeno dramático são muitas e variadas. O mesmo editorial afirma que um factor é certamente a Internet. a Coreia é dos países onde o acesso é dos mais difundidos. Em 2005, um inquérito levado a cabo por uma organização de prevenção do suicídio revelou que 47 por cento dos adolescentes e 38 de pessoas na casa dos 20 afirmaram terem visitado sitos-suicida por mera curiosidade. Mais de 20 por cento de cada grupo disse terem sido tentados a cometerem suicídio.
a juventude coreana não é diferente daquela dos países desenvolvidos. Os números são não só alarmantes. Exprimem quanto os jovens estão descontentes com a vida e com o sistema. São o reflexo de uma sociedade profundamente destabilizada. É um problema que não pode deixar indiferente nem a Igreja nem as outras religiões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *