” a Igreja não usa armas políticas, mas morais”, afirmou o cardeal Daneels na derradeira mesa-redonda. Três mil pessoas escutaram os cinco promotores do congresso, na basílica Koekelberg, em Bruxelas.
” a Igreja não usa armas políticas, mas morais”, afirmou o cardeal Daneels na derradeira mesa-redonda. Três mil pessoas escutaram os cinco promotores do congresso, na basílica Koekelberg, em Bruxelas. a jornalista de Le Soir, Beatrice Belvaux, abre o debate final do Congresso para a Nova Evangelização, com uma pergunta sobre os desafios principais colocados à Igreja na Europa.
a descontracção, com momentos de humor e boa disposição, que fizeram rir a numerosa assembleia, caracterizou o ambiente de todo o debate. as intervenções sucessivas dos cardeais Daneels, de Bruxelas, Schonborn, de Viena, e José Policarpo, de Lisboa, Erdo, de Budapeste, e do arcebispo de Paris, Vingt-Trois, foram vivamente aplaudidas.
Mostraram uma Igreja presente no tecido da Europa com o seu património, sem complexos, disponível para dar o seu contributo na resolução dos grandes problemas do continente e do mundo.
O cristianismo modelou o rosto da Europa e do mundo, com os seus missionários. É neste contexto que eu gosto de abordar o tema Igreja-Europa, disse o cardeal patriarca, José Policarpo.
O objectivo da Igreja não é a sua subsistência, mas o anúncio do Evangelho. Se a Igreja quer ajudar os jovens é preciso ajudá-los a olhar para fora deles, a afrontar o real e não a fugir. Os jovens não estão sós: Há outros contigo, sublinhou o cardeal Daneels. É preciso correr riscos e organizar eventos que os reúnam.
Os arcebispos reflectiram sobre temas relacionados com a vida. O cardeal Schonborn lembrou que no seu país, a Áustria, todos os partidos estão de acordo em preferir a escolha do acompanhamento no final da vida em vez da eutanásia. E lembra o legado do cardeal Konig: É preciso que o homem não morra pela mão de um outro, mas na mão de outro homem.
O islamismo, o discurso do Papa a Ratisbona, na alemanha, a relação da Igreja com os meios de comunicação foram temas que estiveram em cima mesa. O congresso contou com a presença dos convencidos, disse a jornalista. O arcebispo de Paris, Vingt-Trois lembrou-lhe que é um bom argumento do marketing, quando os convencidos são numerosos .
ao encerrar o debate: Não nos manifestarmos, não nos mostrarmos, seria negligenciar o nosso dever, afirmou o cardeal Daneels.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *