Presidente da Comissão Episcopal da Mobilidade humana desafia cristãos a serem acolhedores e a praticarem a hospitalidade para com os migrantes.
Presidente da Comissão Episcopal da Mobilidade humana desafia cristãos a serem acolhedores e a praticarem a hospitalidade para com os migrantes. “Vivemos um tempo de apregoada democracia e tolerância, mas na realidade perseguimos aqueles que são diferentes. Vivemos um relativismo redutor das diferenças sexuais, religiosas, culturais e outras, esquecemos que a diferença é o alimento da unidade, o desafio da complementaridade, a base do amor, a condição da criatividade, o sinal e sacramento da Trindade”, afirmou o bispo antónio Vitalino, durante a celebração eucaristia da peregrinação internacional, dedicada ao migrante.
Referindo-se aos imigrantes que deixam as suas terras e vão em busca de uma vida melhor, “alguns ficam pelos caminhos, no deserto, no mar ou nas fronteiras e são tratados como criminosos”, outros “caem nas mãos de exploradores sem escrúpulos, que roubam a sua dignidade e os usam para satisfazer os seus vícios”. E ainda noutros casos “são vistos e tratados com inveja.como se fossem ladrões dos nossos empregos e do nosso pão”, frisou.
Em todos os casos de migrantes ” acentuou o prelado ” “podemos encontrar casos de maior ou menor violência, que nos deveria envergonhar de mais parecermos lobos e inimigos dói que seres humanos e filhos de Deus”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *