Nove dias de intenso trabalho marcaram o final de actividades dos 25 jovens da Consolata em terras do Minho. Despediram-se de Barroselas, dos Missionários Passionistas lavados em lágrimas.
Nove dias de intenso trabalho marcaram o final de actividades dos 25 jovens da Consolata em terras do Minho. Despediram-se de Barroselas, dos Missionários Passionistas lavados em lágrimas. Por nós continuávamos a trabalhar nas Feiras mais uma semana! agora sim, estávamos experientes no assunto. Já sabí­amos como abordar as pessoas, onde localizar a Banca Solidária. Esta missão já nos tinha entrado no sangue!
Esposende foi, de longe, o melhor dia! Praticamente todas as pessoas acolheram e escutaram o que Tínhamos para dizer. Não havia melhor forma de terminar o Campo de Trabalho Missionário (CTM). Os jovens saíram de Esposende em euforia pelo trabalho desenvolvido. Nunca esperámos que pudesse ser tão bom!
Sábado à noite aconteceu a oração, partilha e avaliação do CTM. Cada um teve oportunidade de exprimir o que lhe ia na alma sob o olhar de José allamano, fundador dos Missionários da Consolata. Para cada dia Tínhamos uma frase dele. Foi sobre elas que reflectimos.
as t-shirts que sobraram foram divididas em quantidades iguais e distribuí­das pelos Centros de animação do Cacém e de Águas Santas, para que a partir de Setembro, os jovens possam planear as suas actividades, tentando obter os lucros das restantes t-shirts. as sobras não significam que o trabalho tenha ficado aquém das expectativas. Os jovens foram missionários exemplares, até na contrariedade de ouvirem um “não” ou serem mal tratados. arranjaram sempre força para continuarem o anúncio, nunca desistindo da sua missão. Deram o seu melhor
agora cabe aos centros de animação levar para a frente o restante trabalho! Há paróquias que não conhecem os Missionários da Consolata. é aí­ que temos de ir: “Vamos a outros lugares… “.
O grande lucro deste CTM foi mesmo a descoberta da vocação missionária pela parte de alguns jovens. a certeza de que o caminho é por aqui vale muito mais do que qualquer euro que se consiga angariar. Ou o mais importante no meio de tudo isto não fosse a Pessoa. Os jovens andam a construir o SER. O FaZER reflecte o SER. Pelo que fizeram em nove dias, não tenho dúvidas que foram autênticos missionários da Consolata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *