O Campo de Trabalho Missionário contagiou e entusiasmou os jovens porque foi uma experiência radical,defende o padre Silvanus Stock.
O Campo de Trabalho Missionário contagiou e entusiasmou os jovens porque foi uma experiência radical,defende o padre Silvanus Stock. O Campo de Trabalho Missionário “contagiou porque foi radical, porque coisas radicais tocam, deixam marcas nos jovens. Coisas superficiais não tocam a ninguém”, afirma o padre Silvanus Stock, um dos missionários da Consolata que durante a última semana andou, juntamente com os jovens, de feira em feira, no Minho.
acho que, no próximo ano, se fizermos vão aparecer estes” e o outros. “O dobro”, adianta.
Mas, no próximo ano, “queria optar por um Campo ainda mais longe daqui, para Tanzânia, ou Moçambique ou Guiné”, afirma.
O missionário diz ter apresentado pela proposta, ainda como hipótese aos jovens, e ” vi muito entusiasmo”. Para ser concretizável “implica muitas coisas: dinheiro suficiente para a viagem, algo para oferecer àquela gente, formação”, vai enumerando o padre Silvanus.
Talvez “tenhamos que angariar fundos para eles poderem viajar, mas é uma hipótese”, conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *