Vinte e um novos técnicos de Laboratório Médico, do centro de Ikonda, da Consolata na Tanzânia, vão passar directamente da escola para o trabalho.
Vinte e um novos técnicos de Laboratório Médico, do centro de Ikonda, da Consolata na Tanzânia, vão passar directamente da escola para o trabalho. Os finalistas têm a vantagem de saber que não vão ter que bater muito à porta do trabalho para serem assumidos. São muito requeridos num sector seriamente carenciado de pessoal formado em todo o país.
é mais uma fornada de técnicos formados em Ikonda, um pequeno centro do distrito de Nakete, na província e Njombe, no sudoeste da Tanzânia. Estão prontos para assumir responsabilidades nos hospitais do país. a escola de Técnicos de Laboratório Médico funciona ao lado do Hospital da Consolata.
Os 21 finalistas fizeram o exame segundo o programa estatal e sob o controle de um supervisor oficial do Ministério da tutela. Obtiveram todos bons resultados, o que vem aumentar a procura do curso. O segredo do sucesso está num corpo docente cuidadosamente escolhido e sempre a melhorar, e num laboratório moderno e bem equipado.
O leque das matrí­culas tem vindo também a alargar-se: embora a escola seja de raiz católica e mantenha o seu cariz missionário, é frequentada também por alunos de outras áreas religiosas, como luteranos, anglicanos e muçulmanos, que garantem não ter notado algum sinal de discriminação. E, curiosamente, até as barreiras nacionais foram superadas: entre os diplomados há-os que vieram do Quénia, da Uganda e de Moçambique.
Em todo o país há só três escolas deste tipo e nível. Uma funciona ao lado do Hospital Central de Dar Es Salaam, Muhimbili, e é da responsabilidade do governo. as outras duas são da iniciativa da Igreja Católica e estão situadas no interior do país.
Fundada pelos Missionários da Consolata, a escola de Ikonda teve um início muito humilde e limitado. Queria responder às necessidades imediatas do laboratório médico do hospital de Ikonda. Da responsabilidade dos mesmos missionários e dos dispensários das missões, destinava-se a formar assistentes de laboratório, a partir de alunas que vinham directamente da instrução primária.com o tempo e as necessidades, cresceu também a qualidade e capacidade de resposta da escola.
Hoje é uma instituição prestigiada, de nível académico, que oferece um curso de três anos a alunos que terminaram com sucesso o ensino secundário no ramo das ciências. a sua capacidade não a deixa ir além de uma aceitação de 25 candidatos por ano. Enquanto no princípio a escola recebia só alunas, assiste-se agora a uma inversão dos termos: dois terços dos candidatos que procuram a escola são rapazes; mas há que dizer que as alunas que frequentam o curso não ficam nada a trás nos resultados.
O prestí­gio e a importância da escola fez com que ela tenha sido convidada a integrar o recém-fundado pólo daUniversidade Católica da Tanzânia com sede em Iringa.com a elevação vem também a transferência da escola para instalações novas na capital da região, já a partir de 2007. Quem vê com mágoa esta deslocalização da escola é a gente de Ikonda e arredores, que a viu nascer e a considerava parte integrante do hospital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *