“Nós cristãos somos chamados à Igreja para sermos faróis de mudança neste tempo que tem algumas desorientações”, afirma Eugénio Fonseca.
“Nós cristãos somos chamados à Igreja para sermos faróis de mudança neste tempo que tem algumas desorientações”, afirma Eugénio Fonseca. “O Papa pede que a acção da Igreja não seja só assistencial. Porque acaba na caridadezinha”, afirmou o presidente da Caritas, durante um colóquio sobre a primeira encí­clica de Bento XVI, “Deus é amor”.
aos participantes na assembleia-geral da associação dos amigos Missionários da Consolata (aMC), a 4 de Junho, Eugénio Fonseca salientou que é preciso “formação profissional” também para os voluntários”. “Nós não fazemos caridade para chegar ao céu. Fazemos caridade porque é uma exigência” do ser cristão ” frisou aquele responsável.
O presidente da Caritas salvaguardou também a necessidade de um olhar atento para os irmãos que vivem na comunidade, para que não se corra o risco de estar tão empenhado em ajudar os irmãos de longe e deixar que os irmãos que fazem parte da mesma comunidade passem fome.
“Se não rezamos, somos activistas de um movimento qualquer mas, não somos Igreja”, afirmou peremptoriamente Eugénio Fonseca, reforçando a necessidade da ligação com a eucaristia, onde o cristão vai buscar força para continuar a fazer caminho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *