Uma etapa na luta de mundo livre de armas está concluí­da, salienta a Comissão Nacional Justiça e Paz. Observatório está atento “Por uma sociedade segura e livre de armas”.
Uma etapa na luta de mundo livre de armas está concluí­da, salienta a Comissão Nacional Justiça e Paz. Observatório está atento “Por uma sociedade segura e livre de armas”. No final da audição pública “Por uma sociedade segura e livre de armas”, a Comissão Nacional Justiça e paz, entidade organizadora da iniciativa congratula-se com a “promulgação de uma lei que vem enquadrar o uso e o porte de armas por parte de civis. Esperamos que a respectiva regulamentação, prevista para breve, dote o nosso país dos mecanismos legais apropriados ao maior controlo da produção, comércio e venda de armas ligeiras, bem como imponha maior exigência de responsabilização a quem detém essas armas”, esclarece.
adianta a CNJP que é necessário neste período estipulado pelo estado para uma entrega voluntária de ” uma ampla mobilização nesse sentido por parte da sociedade civil. O Estado, por seu turno, deverá empenhar-se em criar um clima de confiança propí­cio ao “desarmamento””, refere a Comissão Nacional Justiça e Paz.
além disso torna-se necessário “criar um clima dissuasor da proliferação de armas”, defende. “O Estado deveria assumir, pública e inequivocamente, a sua responsabilidade na luta pela erradicação da pobreza e da exclusão social, bem como o combate à grande desigualdade, dotando-se de necessária e eficiente organização e dos correspondentes meios para atingir os objectivos visados neste domí­nio. é este um desafio particularmente urgente no que se refere à re-qualificação de espaços urbanos degradados, para dotar as respectivas populações de habitat condigno”.
a Comissão considera que, para levar a bom porto estes objectivos é necessário o empenho da sociedade civil e suas organizações. No final desta audição pública, apenas uma certeza: “está concluí­da uma etapa na prossecução de um objectivo mais ambicioso: promover uma sociedade segura e livre de armas no nosso país e no Mundo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *