acordar muito cedo, atravessar a ponte sobre o Tejo com a Ilda em braços, e terminar o dia a agradecer e a cantar pelo dom da vida do guia antónio Luís. Cenas do penúltimo dia da peregrinação.
acordar muito cedo, atravessar a ponte sobre o Tejo com a Ilda em braços, e terminar o dia a agradecer e a cantar pelo dom da vida do guia antónio Luís. Cenas do penúltimo dia da peregrinação. Já falamos da vassoura, e do seu poder simbólico, na peregrinação dos caminhantes vindos das freguesias de Reguengos, Mourão e Portel. a Bia é quem a leva. E vai atrás de todos. Se dúvidas houvesse, apressa-se a tirá-las: “atrás da vassoura não fica ninguém!”, não se cansa de repetir. E acrescenta que “a vassoura sofre mais que todos os outros” pois, explica, “a vassoura acompanha e recolhe os mais cansados, os que tem mais dores, os últimos”. “Eu mesma me sinto vassoura”, remata. “Sinto que é dar de mim para os outros”, e isso “é muito gratificante”.
Nesta quarta-feira, dia 9, penúltimo dia da caminhada, levantara-se bem cedo: às 4h45. E desta vez não foram as mulheres as primeiras. O guia, Victor, teve finalmente o privilégio de despertar a tribo peregrina.
saíram em direcção a Santarém. Lembram-se da Ilda Soares e das 7 pontes de Coruche? Pois, aconteceu novamente: para atravessar a ponte sobre o rio Tejo, que separa almeirim de Santarém, ela teve de ser levada em braços. Não conseguia atravessar a ponte a pé. Vertigens e muito medo das alturas, são os sintomas. é que o acto de peregrinar não nos tira, necessariamente, os medos quotidianos. as proximidades da estação de comboios da capital gastronómica do Ribatejo foi lugar ideal para a primeira e reparadora refeição do dia. Indo em direcção a Pernes, onde chegaram por volta das 13h15, passaram por alcanhões, onde fizeram a reflexão da manhã. Vitaminas para o Espírito! Fortalecimento da caminhada.
agradecer pelo dom da vida
almoçados que estavam no salão dos Bombeiros Voluntários, entraram num despique de cantares alentejanos com um grupo de Sacavém que por ali se encontrava. Quase que já os escutávamos e Fátima.
Chegaram ao Pavilhão Gimnodesportivo da Louriceira por volta das 6h00. Não tendo celebrado a Eucaristia pela manhã, por terem saí­do muito cedo, fizeram-no agora. O P. abí­lio Franco, de 80 anos, “mas com um Espírito muito jovem”, afirmam, preside à celebração na Igreja de N. S. da Conceição.
Jantar no pavilhão, às 8h30, e tempo ainda para cantar os parabéns ao guia antónio Luís. Muitos anos de vida, … e de guia.
Nesta quinta-feira cumpre-se a última etapa do percurso, entre a Louriceira e Fátima. O grupo, agora de 60 peregrinos (ontem juntaram-se mais dois em almeirim) faz uma última paragem em Covão do Coelho, a 11 quilómetros de Fátima, onde terá lugar uma celebração penitencial seguida de missa e, logo após, de mesa: o almoço. Breve descanso, respirar fundo, e enfrentar caminhar o último chão que os separa da cidade da paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *