Dois milhões de crianças morrem antes de completarem um dia de vida. a Libéria é, actualmente, o país que possui a taxa de mortalidade infantil à nascença, mais elevada do mundo
Dois milhões de crianças morrem antes de completarem um dia de vida. a Libéria é, actualmente, o país que possui a taxa de mortalidade infantil à nascença, mais elevada do mundoDois milhões de crianças que nascem em países africanos morrem antes de completarem um dia de vida. O relatório da associação não governamental norte-americana “Save the children” revela que quatro milhões de crianças morrem antes de completarem um mês e um milhão entre o segundo e o sétimo dia de vida.
as causas apontadas para o número elevado de mortes são infecções, dificuldades no parto ou baixo peso à nascença, na sua maioria.
actualmente, a Libéria é o país que possui a taxa de mortalidade infantil à nascença, mais elevada do mundo, devido à guerra em que o país esteve mergulhado 14 anos. Em angola, registam-se cinco mortes em cada 100 nascimentos, apenas cinco por cento das mulheres usam contraceptivos, mais de metade da população não tem acesso a cuidados de saúde e mais de metade das crianças nascem sem assistência de pessoal qualificado, diz o estudo.
Para contrariar estes números, a organização defende que este relatório prova a relação directa entre a qualidade de vida das mães e das crianças. “Se queremos melhorar a qualidade de vida das crianças temos de começar por investir na saúde e no bem-estar das suas mães”, diz o responsável da “Save the children”
Entre os casos em que os programas da organização estão a ter sucesso, o relatório destaca Moçambique, graças ao donativo de 60 milhões de dólares (47,2 milhões de euros) feito no final de 2005 pela Fundação Bill e Melinda Gates. Outro caso de sucesso é o Vietname, onde muitas mães participam num programa que prevê a amamentação, em substituição da tradicional água com açúcar, pelo menos nos primeiros seis meses de vida, o que representa uma alteração substancial no dia- a-dia das mães, dado que a maioria voltava ao trabalho nos campos de arroz poucos dias após o parto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *