O Caminho do Tejo é um percurso usado pelos peregrinos a pé que, vindos do sul, se dirigem a Fátima. Ou melhor, deveria ser! Eles preferem caminhar pela nacional, em vez de seguir o caminho assinalado.
O Caminho do Tejo é um percurso usado pelos peregrinos a pé que, vindos do sul, se dirigem a Fátima. Ou melhor, deveria ser! Eles preferem caminhar pela nacional, em vez de seguir o caminho assinalado. Todos os caminhos vão dar a Fátima. São milhares aqueles que se encontram a caminho de Fátima, vindos de diversos pontos do país, para participar nas cerimónias de 12 e 13 de Maio. Pela Giesteira, passam muitos peregrinos vindos do sul, em direcção ao Santuário de Fátima. Grupos de 20 a 30 pessoas, de gente nova, explica Manuel antónio Sebastião, nascido e criado na Giesteira, um dos locais por onde passa o Caminho do Tejo. a maioria dos peregrinos, que passa por ali, faz o percurso pela estrada nacional em direcção a Fátima. Isso mesmo confirma Manuel Sebastião: Nunca passamos por ali [Caminho do Tejo]. Vamos pela [estrada] principal.
Rui Vieira, habitante de Minde, tem feito por diversas vezes o caminho que liga a Fátima. De bicicleta ou de jipe, porque a pé é duríssimo. E adianta: Para peregrinos que já vêm cansados, não acho que seja caminho que se aconselhe. São 13 quilómetros no meio do mato. Sem nada. O percurso do Caminho do Tejo cruza-se, em Minde, com o habitual trajecto percorrido por muitos peregrinos, mas quase ninguém o escolhe. ao passo que o percurso pela estrada nacional, apesar de mais perigoso, oferece mais apoio de diversas entidades. Segundo testemunhos de pessoas que já efectuaram o Caminho do Tejo, este acaba por ser mais longo. Curiosamente, já na recta final, na Giesteira, apenas a dois quilómetros de Fátima, o Caminho do Tejo leva os caminhantes em direcção a Moita do Martinho, para depois se dirigirem a Fátima, tendo de percorrer mais dois quilómetros. No entanto, os responsáveis do Centro Nacional de Cultura (CNC) falam no sucesso do Caminho do Tejo. Serão “mais de mil” os que o seguem para chegar a pé a Fátima, fugindo às estradas saturadas de trânsito, ruído e poluição. “Se não pensássemos que o caminho tem virtualidade, não o teríamos feito, afirmou Lourenço almeida, do CNC. O Caminho do Tejo foi inaugurado em 1999, um projecto do Centro Nacional de Cultura que liga Lisboa, desde a Pala Siza Vieira, no Parque das Nações, ao Santuário de Fátima. O objectivo é dotar o país de redes de caminhos pedestres, de forma a permitir aos peregrinos apreciar o património cultural e natural. Cinco jornadas, com 20 a 30 quilómetros, cada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *