Uma cidadania efectiva só é possível tendo as questões de pobreza e exclusão social resolvidas. Manuela Silva, presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz fala de um contra poder a usar.
Uma cidadania efectiva só é possível tendo as questões de pobreza e exclusão social resolvidas. Manuela Silva, presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz fala de um contra poder a usar. “Não poderá existir plena cidadania enquanto não houver condições de vida para todos”, afirmou a presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, Manuela Silva durante o colóquio “Cidadania activa”, uma iniciativa da comissão diocesana de Leiria-Fátima daquele organismo, realizada a 6 de abril.
é essencial para que se possa falar de cidadania efectiva, resolver as questões ligadas à pobreza e à exclusão social, referiu a economista. Na prática, os cidadãos devem ver garantidas as necessidades básicas, o acesso a um trabalho digno, escolaridade obrigatória e com sucesso, acesso a cuidados de saúde sem discriminação e garantia mí­nima de segurança. “Se não resolvermos este problema, estamos a privar de cidadania quase um quinto da população”, salientou.
Manuel Silva lembrou ainda que “a cidadania activa e responsável pode vir a constituir contra poder”, através de acções de contra empresas que não respeitem a cidadania dos seus trabalhadores. Por exemplo, se as pessoas tirassem os seus depósitos de uma instituição bancária até que as condições salariais dos que lá trabalham fossem melhoradas. “Que poder não está nas mãos dos depositantes? Está ao alcance de um clique do computador”.
Num mundo globalizado, concorrencial, produtor de exclusão social, os cidadãos podem inverter esta tendência” na perspectiva da especialista ” com iniciativas várias como a criação de empresas que, sendo eficientes, não se regem pela maximização do lucro e competitividade.
Face à ameaça da China e da Índia em termos empresariais, a presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz fala do enorme leque de possibilidades de exportação que se abrem a Portugal para um mercado destes. E esta é uma consequência positiva da globalização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *