O sofrimento tem o “grande mérito ” de nos tornar melhores. Os cristãos devem fazer tudo para acabar com o sofrimento do outro certos que, na Páscoa da Ressureição, se entende o sentido do sofrimento.
O sofrimento tem o “grande mérito ” de nos tornar melhores. Os cristãos devem fazer tudo para acabar com o sofrimento do outro certos que, na Páscoa da Ressureição, se entende o sentido do sofrimento. O sofrimento “vai para além das dores que as pastilhas (medicamentos) conseguem eliminar”, afirmou a enfermeira e professora da Escola Superior de Enfermagem do Porto, Margarida Vieira, durante a sua conferência”Quaresma e sentido do sofrimento”, realizada esta tarde.
Um cristão caracteriza-se então, por ser alguém que sabe dar um sentido ao sofrimento. “Somos privilegiados porque Deus está connosco e dá sentido a este sofrimento”, afirmou a professora perante a plateia neste encontro promovido pela associação dos amigos Missionários da Consolata da Zona Centro.
Ser cristão é saber então que, apesar da Quaresma ser permanente, “o domingo de Páscoa aconteceu”, isto é Cristo ressuscitou e deu um sentido objectivo ao sofrimento. Um sentido que só se encontra depois do sofrimento passar, explicou Margarida Vieira e cujo “grande mérito é sermos melhores pessoas, tornarmo-nos melhores”.
Por sermos seguidores de Cristo, os cristãos têm uma responsabilidade acrescida no sentido de minorar o sofrimento do irmão. Uma responsabilidade “ilimitada” de lutar contra este mistério que é o sofrimento, no outro que tem fome, que precisa de um cobertor, por exemplo. E é responsabilidade de um cristão não apenas dar uma esmola esporadicamente mas responsabilizar-se sempre pelo seu irmão, pelo que lhe acontece.
Margarida Vieira salientou ainda que os mais fracos, as crianças são aqueles que mais sofrem e explicou que o sofrimento provocado pelos seres humanos é provocado por tês forças: avareza ” Ter; Tirania ” Poder e Vã glória ” Ser.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *