Docente e religiosa. Duas vocações numa só pessoa, que «milhares» de alunos conheceram ao longo de décadas. adelaide Lopes ensinou matemática e biologia e acompanhou famílias inteiras, que lhe deram aquilo que sempre procurou: um «sentido para a vida»
Docente e religiosa. Duas vocações numa só pessoa, que «milhares» de alunos conheceram ao longo de décadas. adelaide Lopes ensinou matemática e biologia e acompanhou famílias inteiras, que lhe deram aquilo que sempre procurou: um «sentido para a vida»aos 74 anos, adelaide Lopes deixa para trás um rasto de amor, solidariedade e entrega aos outros. Dedicou a sua vida à educação e aos mais frágeis: 11 anos em Moçambique, e os restantes da sua carreira de docente em Portugal, onde lecionou em instituições de ensino privadas e públicas. No continente africano foi professora de biologia e de matemática. Em solo nacional, deu aulas de biologia. O desempenho da função de professora, somada à profissão religiosa, intrigou e deixou perplexas algumas das suas alunas portuguesas, que na altura se encontravam no décimo ano de escolaridade, e que lhe perguntaram como é que se conciliava ciência com religião. a irmã respondeu-lhes então: Quanto mais eu aprofundo e quanto mais conheço a criação, mais louvo a Deus e mais agradeço o dom da criação. Natural de Barcelos e pertencente à congregação Franciscanas Missionárias de Nossa Senhora, a professora, agora aposentada, refere que sempre empreendeu esforços para que a sua vida pudesse ter sentido. Desde início, procurei sempre dar sentido à minha vida porque eu dizia para mim própria: “Eu nunca me quero sentir frustrada”. E foi esse o caminho que seguiu, não só através da vida religiosa e das aulas que ministrava, mas também através de um acompanhamento que procurava dar aos alunos. ainda na memória, adelaide Lopes carrega as histórias de tantos agregados familiares que acompanhou em Moçambique, entre 1965 e 1976. Eu procurava realmente dar-me. No internato e externato tínhamos mais de 400 alunas que nos eram confiadas num colégio diocesano em Moçambique. Éramos poucas irmãs para tanto, recorda a religiosa. as vivências e lutas diárias de muitos agregados familiares de Moçambique sensibilizavam a professora missionária. Eu via que muitas famílias para terem lá os alunos trabalhavam de manhã à noite. Faziam um esforço muito grande para educar os filhos, realça. a todos esses filhos, de tantas famílias com histórias tão variadas, adelaide acompanhou o crescimento através da sua formação, postura e testemunho. Cresceram connosco na fase mais determinante das suas vidas, destacou a religiosa, em declarações à Fátima Missionária. a dedicação a milhares de alunos, no continente africano e em Portugal, mas também outros episódios de vida, que passaram por angola e São Tomé e Príncipe, assim como por bairros de lata no norte do território português, deram a adelaide Lopes o sentido que sempre desejou para a sua vida. Estou feliz. Sou feliz. Muito. Todos aqueles que passaram por mim estão em mim e acrescentaram sempre sentido à minha vida também. a vida tem todo o sentido, mas a verdade é que a preencheram perfeitamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *