Centro-americanos tentaram cruzar a fronteira dos Estados Unidos da américa e foram afastados com gás lacrimogéneo lançado pelos militares norte-americanos
Centro-americanos tentaram cruzar a fronteira dos Estados Unidos da américa e foram afastados com gás lacrimogéneo lançado pelos militares norte-americanos a desilusão e o medo tomaram conta da caravana de centro-americanos instalada na cidade de Tijuana, no México, depois de uma tentativa falhada de atravessar a fronteira para os Estados Unidos da américa (EUa). Um grupo de 500 migrantes tentou forçar a entrada no posto fronteiriço, mas foi afastado pelos militares, com gás lacrimogéneo. Estamos com o coração e a esperança despedaçados. Estávamos convencidos que tínhamos conseguido chegar aos EUa, e que nos davam asilo. agora há que viver com a deceção. Não temos outra opção que procurar [no México] uma vida, um trabalho, uma casa, desabafou andy Colón, uma hondurenha de 20 anos que viajou com a sua irmã e duas crianças. a caravana com cerca de 5. 000 partiu das Honduras a 13 de outubro, para fugir à violência e à pobreza. Percorreu mais de 4. 000 quilómetros, até se fixar em Tijuana, vizinha da cidade norte-americana San Diego. No domingo, 25 de novembro, cerca de 1. 000 migrantes realizaram uma manifestação para exigir aos EU a que lhes permita o pedido de asilo. Metade a coluna separou-se e tentou cruzar a fronteira, mas encontrou a oposição dos militares.