Em Maio de 1946, Irmã Lúcia de Jesus vem a Fátima, numa visita à família e aos locais das aparições, e encontra-se com o padre João De Marchi e os primeiros seminaristas da Consolata,
Em Maio de 1946, Irmã Lúcia de Jesus vem a Fátima, numa visita à família e aos locais das aparições, e encontra-se com o padre João De Marchi e os primeiros seminaristas da Consolata, Recordo algo de interessante que aconteceu durante o meu segundo ano no nosso seminário da Consolata aqui em Fátima. Estávamos em 1946, mês de Maio, se bem recordo, e ainda Tínhamos aulas na primeira casita que ficava na confluência das duas ruas hoje chamadas “Francisco Marto” e “13 de Maio”, aqui na Cova da Iria. Refiro-me à visita que a Lúcia fez então a Fátima.
Durante esses dias aqui passados pela Lúcia, várias pessoas a acompanharam na sua visita, não só à família mas também aos lugares das aparições do anjo em 1916 (Loca do Cabeço, 1º e 3º aparição, e poço da família da Lúcia no quintal por detrás da casa da família dela, local da 2º aparição) e aos Valinhos, onde teve lugar a quarta aparição de Nossa Senhora, no dia 19 de agosto de 1917.
O nosso P. João De Marchi, de veneranda memória, já tinha então escrito o seu livro sobre Fátima, Era Uma Senhora Mais Brilhante Que O Sol, que para tantas línguas viria a ser traduzido. O P. De Marchi deu à Lúcia uma cópia do livro (1º edição), que a Lúcia leu, escrevendo nele alguns apontamentos-correcções, e dando ao P. De Marchi a cópia corrigida, sobre a qual se fundaram todas as edições e traduções posteriores.
Mas aquilo de que mais nós gostámos foi precisamente a visita que num desses dias a Lúcia nos fez a nós seminaristas e as palavras de encorajamento que nos dirigiu. ali mesmo à entrada do nosso pequenino seminário a vimos e a ouvimos. Cumprimentar e escutar as palavras de alguém que tantas vezes falou com a Mãe do nosso Salvador e Senhor não podia de forma alguma ser unicamente um factozito sem importância.
Foi também nessa altura que a Lúcia corrigiu alguns pontos secundários relativos às aparições, especialmente no que se refere ao local da 1º e 3º aparição do anjo. Pensava-se, até esse esclarecimento pela Irmã Lúcia, que essas duas aparições do anjo tinham tido lugar pertinho da entrada duma caverna que se encontra, ainda hoje, a uns setenta metros a sul do local exacto onde a aparição teve lugar, que é o lugar onde actualmente se encontram as estátuas do anjo e dos três pastorinhos ajoelhados diante dele.
a Cova da Iria era ainda nessa altura uma pequena aldeia onde quase toda a gente se conhecia e onde a maior parte das pessoas ia ao terço comunitário, que era então rezado na chamada Capela das Confissões, uma espécie de barracão que ficava perto da azinheira grande que ainda hoje existe perto da Capelinha das aparições.
Fátima cresceu e espalhou-se pela terra inteira, muitos de milhões de terços foram rezados por centenas de milhares de pessoas pela paz no mundo, e coisas admiráveis tiveram e têm lugar por esse mundo além graças à intercessão de Santa Maria, Mãe de Jesus e Mãe da Igreja. a Deus e à Virgem Santíssima, aos Três Pastorinhos e à Igreja se deve o muito bem que atingiu e habita tantas pessoas de boa vontade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *