O único hospital em Bama, na Nigéria, onde se encontram milhares de deslocados em situação dramática, não se encontra em funcionamento. Membros de organização humanitária pedem ajuda urgente
O único hospital em Bama, na Nigéria, onde se encontram milhares de deslocados em situação dramática, não se encontra em funcionamento. Membros de organização humanitária pedem ajuda urgenteOs Médicos Sem Fronteiras (MSF) deram início a um serviço de nutrição e de pediatria de emergência em Bama, no estado de Borno, no nordeste da Nigéria, devido a uma situação humanitária crítica entre os deslocados internos recém-chegados. a falta de assistência adequada a estas pessoas inclui a necessidade de um abrigo e de cuidados de saúde. O cenário leva os MSF a pedir às autoridades que forneçam urgentemente assistência adequada à população, antes que a situação se agrave ainda mais.
Desde o passado mês de abril, foram mais de 10 mil as pessoas a afluir ao campo da Escola Secundária Governamental de Ciência (GSSS), em fuga de zonas onde não se conseguiam sustentar, e das forças armadas nigerianas que realizam operações militares contra grupos armados. No campo da GSSS, as condições de abrigo e de assistência não acompanham o crescimento da população e as pessoas continuam a chegar todos os dias. Planeado para abrigar 25 mil pessoas, o acampamento atingiu a sua capacidade máxima no final do passado mês de julho, não existindo agora abrigos suficientes.
Mais de 6 mil pessoas dormem a céu aberto sem proteção contra o calor, as chuvas e os mosquitos. as pessoas nem sequer têm utensílios básicos para cozinhar e a água não está disponível em quantidades adequadas para responder às necessidades mínimas. Muitas crianças já chegam em estado crítico e a falta de assistência e de acesso a cuidados de saúde deterioram ainda mais a condição delas, alertou Katja Lorenz, representante dos MSF em abuja, em declarações aos serviços de comunicação da organização humanitária.
De acordo com as equipas dos MSF, de 2 a 15 de agosto, 33 crianças perderam a vida no campo, uma quantidade que é assustadoramente alta quando comparada com o número total de crianças com menos de cinco anos de idade, estimado em cerca de 6 mil. atualmente, o Hospital Geral de Bama, o único local, não se encontra em funcionamento, o que obriga a deslocações maiores. Contudo, são muitos os que não têm possibilidade de pagar o transporte, mas mesmo se pudessem, encontrariam os centros de internamento nutricional sobrecarregados.
O representante dos MSF no país explica que apesar da presença de agências governamentais e organizações humanitárias internacionais em Bama, a situação nutricional e de saúde deteriorou-se até ao ponto atual da crise. Devem ser tomadas medidas urgentes para evitar a sobrelotação e garantir condições dignas de vida no campo da GSSS. Cuidados de saúde secundária e de emergência para os deslocados internos e a população local devem ser ampliados o mais rápido possível, apela o responsável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *