Quando se mexe no baú das recordações, acontece que se pode pode topar num livro de crónicas que favorece o “rejuvenescimento” do Espírito.
Quando se mexe no baú das recordações, acontece que se pode pode topar num livro de crónicas que favorece o “rejuvenescimento” do Espírito. Há dias estava eu a olhar para as salas desta casa e bateu-me no coração um sentimento esquisito de saudade, vindo não sei de onde. Não era para menos. Olho em redor e vejo mesas cheias de pó, cadeiras velhas, caixas cheias de sapatos doados, outras com roupa que não serve senão deitar ao lixo.
Então sim, brota o sentimento de saudade. Veio-me à memória a recordação de tempos passados. Por ocasião do encerramento do Seminário da Consolata de Erexim, Brasil, fiz uma exposição dos melhores objectos e obras de arte que a casa tinha. Não faltaram cadeiras boas e mesas de qualidade, obras de arte. Também havia as carteiras em que eu estudei. Lá se foram elas, juntamente com pratos e talheres.
Encontrei arquivos em que se fazia análises e mais análises sobre as motivações vocacionais e desistências. Parece-me que nada de diferente do que eles escreveram, se possa dizer nos dias actuais. Também estava lá uma estátua da Consolata, diga-se de passagem era a mais bonita da casa. Lá se foi rumo directo à casa provincial de São Paulo.
Chegou o dia em que tive que descer ao armazém da casa.como sabemos, antigamente havia um lugar em que se guardava o melhor das nossas casas. Foi lá que encontrei, nada mais, nada menos, do que 60 garrafões de vinho. É claro, vazios! Tive a ideia de falar com um agricultor, que trocou os garrafões por vinho. Foi o ano em que, no Brasil, bebi mais vinho, cedendo o lugar apenas quando vim para Portugal.
Nestas lides, de degustar o bom vinho e de fazer limpeza da casa, encontrei um livro de crónicas, também ele condenado a ir para o lixo ou para o fogo, que muito me interessou, seja pelo visual da capa, mais ainda pelo conteúdo.
À noite, depois das minhas rezas, nada melhor para adormecer do que ler algumas destas crónicas. Dão-me paz, serenidade e um bom repouso. até voltei a sonhar que era jogador de futebol. Mas as crónicas servem-me também para argumento de conversa com os confrades e até para as homilias. É claro que não faço muita cábula , mas que me ajudam, é verdade. Eis alguns títulos: Ficar Desempregado , Memórias , Humor e Ironia , Tempo para Tudo .
Hoje envio-vos algumas. Servem para um rejuvenescimento interior . Na semana de Carnaval, em Fátima, realiza-se a XXII Semana de estudos sobre a Vida Consagrada – como tal, vai girar em torno do encanto e desencanto seja da sociedade, quanto da Igreja e da vida consagrada, da missão , da vida fraterna , passando pelo eixo central do seguimento de Cristo em comunhão com a Igreja. algo de novo irá acontecer nesta semana. Cabe a nós, não somente por uma limpeza exterior , mostrar que ainda há encantamento pela vida religiosa.
Leia: XIS Ideias para Pensar, Laurinda Alves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *