Iniciativa pretende prestar auxí­lio à população e promover o processo de desenvolvimento e de paz no país africano. Estão previstas ações nas áreas da saúde, educação e agricultura
Iniciativa pretende prestar auxí­lio à população e promover o processo de desenvolvimento e de paz no país africano. Estão previstas ações nas áreas da saúde, educação e agricultura O Vaticano lançou esta semana o projeto O Papa pelo Sudão do Sul, para socorrer a população e promover o processo de desenvolvimento e de paz, através de várias ações, em diversos setores, explicou o Prefeito do Discatério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral, cardeal Peter Turkson. Segundo o purpurado, além do apoio a dois projetos em hospitais geridos pelas irmãs missionárias combonianas, está previsto auxílio a programa de educação, que tem por objetivo criar uma bolsa de estudo de dois anos para estudantes que desejem frequentar o ensino primário. No campo da agricultura, o projeto vai apoiar uma iniciativa da Cáritas Internacional que envolve 2. 500 famílias das dioceses de Yei, Tombura-Yambio e Torit, e prevê a disponibilização de instrumentos que favoreçam a agricultura e a pecuária e melhorem as capacidades de autossustentabilidade das comunidades. Para Turkson, esta iniciativa demonstra que o Papa Francisco não se esquece das vítimas silenciosas de um conflito sanguinário e desumano, muito menos das pessoas que se viram obrigadas a deixar o seu país por culpa da corrupção, da injustiça e da guerra. O Papa já manifestou por várias vezes o seu desejo de visitar o Sudão do Sul, mas o clima de insegurança que se vive no território fez com que retirasse esse plano da sua agenda, pelo menos para já.