Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas encontrou sinais de genocídio no país e pede o envio imediato de uma força regional com pelo menos 4. 000 operacionais
Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas encontrou sinais de genocídio no país e pede o envio imediato de uma força regional com pelo menos 4. 000 operacionais a situação no Sudão do Sul continua a agravar-se de dia para dia e os especialistas em direitos humanos das Nações Unidas asseguram que os sinais de um genocídio se mantêm no país. Neste sentido, foi pedido o envio urgente de uma força regional com 4. 000 homens, para tentar travar aquilo o que já considerado como uma limpeza étnica. a guerra civil arrasta-se desde dezembro de 2013 e já provocou dezenas de milhares de vítimas mortais e mais de 2,5 milhões de deslocados. após o fracasso de último plano de paz, em julho, a população tem vindo a envolver-se em confrontos de carácter étnico, que deixam transparecer a pior das fações entre rivais. Na sessão especial da ONU sobre a situação do país, pedida pelos Estados Unidos da américa, o alto comissário para os Direitos Humanos, Zeid Ra”ad al-Hussein, sublinhou que a economia do Sudão do Sul foi destruída por três anos de conflito, o que deixou cerca de 4,8 milhões de pessoas sem recursos, expostas à ameaça muito real de grave insegurança alimentar e da fome.