a violência contra os que lutam pelo território e pelos recursos naturais continua a fazer vítimas e tem tendência a piorar, segundo um estudo de um grupo de advogados da Ásia e Pacífico
a violência contra os que lutam pelo território e pelos recursos naturais continua a fazer vítimas e tem tendência a piorar, segundo um estudo de um grupo de advogados da Ásia e Pacífico Pelo menos 176 pessoas, entre agricultores, indígenas e advogados defensores de direitos humanos, foram assassinadas este ano em todo o mundo, devido à sua luta pelo território e pelos recursos naturais, denunciou um grupo de advogados da Ásia e Pacífico. até agora foram feitas 120 detenções relacionadas com conflitos territoriais com as comunidades rurais e indígenas, quando, em 2015, este número se tinha ficado pelas 82. Os direitoscoletivossobre a terra, os recursos e a cultura estão a ser violados pelas corporações e pelos governos. O forte aumento da taxa de mortos e no número de atrocidades contra as comunidades rurais acaba numa total impunidade, lamentouSarojeniRengam, porta-voz do grupo. Na maioria dos casos, as comunidades que lutam pela terra e pela defesa do meio ambiente enfrentam empresas, governos e organizações mafiosas que exploram o território para obter produtos como óleo de palma, minerais e madeira, entre outros produtos. No Brasil, por exemplo, mais de 20 por cento dos defensores de direitos humanos foram mortos no último ano. apesar disso, as comunidades continuam a lutar, a protestar e a procurar ajuda legal para enfrentar a situação.