Os bispos de Moçambique manifestam satisfação pelo clima de paz, mas mostram-se preocupados com os problemas da fome, da saúde e o recrudescimento da criminalidade.
Os bispos de Moçambique manifestam satisfação pelo clima de paz, mas mostram-se preocupados com os problemas da fome, da saúde e o recrudescimento da criminalidade. Nos últimos dias do ano, as empresas e os bancos começam a preparar o balanço das suas actividades comerciais. até as pessoas e instituições cristãs são convidadas a avaliar a própria vida e actividades. é neste contexto que lemos e interpretamos a última carta pastoral dos bispos de Moçambique.
Nela os prelados manifestaram-se satisfeitos com a gestão do governo a nível nacional. Falando dos progressos, puseram em destaque o clima de paz que prevalece no país, os tempos “cada vez melhores” que se avizinham e o bom entendimento com o esforço que se faz no país para conseguir uma colaboração de todos para o bem comum.
Mas este balanço positivo ficou a meio perante algumas preocupações, tais como o problema da fome, as situações relacionadas com a saúde e o recrudescimento da criminalidade.
Em relação ao agravamento da fome, os bispos sublinham que se trata de uma consequência da seca que assola Moçambique e que causou uma fraca produção agrí­cola. as situações relacionadas com a saúde referem-se especialmente à sida e à malária, situações que, apesar dos esforços feitos, continuam a ser uma preocupação generalizada. Falando da saúde, os bispos acrescentam que “o desprezo da lei natural tem consequências graves que não se vencem com paninhos quentes. é preciso entrar, dizem os bispos, decididamente no caminho da rectidão e do respeito pela lei natural que manifesta a sabedoria e o amor de Deus”.
Outra situação que preocupa os bispos de Moçambique é o recrudescimento da criminalidade. Fazem referência ao assassinato do padre diocesano José Verde, acontecido em 4 de Novembro na província da Zambézia. Os bispos manifestaram unanimemente o repúdio por esse crime e muitos outros que acontecem no país: “Condenamos veementemente este crime e outros assassinatos e agressões contra pessoas”.
De Maputo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *