Mais de meia centena de amigos missionários da Consolata realizaram um encontro no Cacém, onde não faltaram as castanhas e a água-pé do tradicional magusto.
Mais de meia centena de amigos missionários da Consolata realizaram um encontro no Cacém, onde não faltaram as castanhas e a água-pé do tradicional magusto. a chuva e o vento da manhã de domingo, 20 de Novembro, afastaram os amigos da festa do magusto. Nem todos! Os mais corajosos, à hora marcada, lá estavam no Cacém, para um encontro de convívio, tendo como pretexto as castanhas e o vinho de São Martinho, um pouco atrasado.
Meia centena de amigos reuniram-se, à chegada, para relatar as actividades realizadas e programar outras. O superior provincial deu as boas-vindas, recordando uma frase do cardeal patriarca, José Policarpo, no recente congresso de Lisboa : Evangelizar é conviver.
Houve tempo para recordar – e rezar durante a Eucaristia – pelo saudoso amigo antónio antunes Pires, que recentemente nos deixou. Dele o presidente dos amigos Missionários da Consolata (aMC) disse: Era um amigo que trabalhava com empenho e que vai fazer falta. Que lindo elogio a alguém que sentia fortemente a sua pertença à família missionária da Consolata.
Entre as actividades da aMC, foi apresentada a campanha Venham mais Nove, para financiar uma bolsa de estudos para a formação de um missionário africano a estudar no seminário maior da Consolata, de Nairobi, Quénia. a campanha já apoiou a formação de dois missionários: padre Manuel Mussirica, moçambicano, a trabalhar numa paróquia de Rio de Janeiro, Brasil, e padre Jacques abayo, etíope, a trabalhar no seu país, em addis abeba.
Presidiu à Eucaristia o padre aventino Oliveira, missionário nos Estados Unidos, do primeiro grupo de seminaristas, com o qual o padre João De Marchi fundou o seminário da Consolata em Fátima. Empenhado na animação nas paróquias e escolas americanas, o padre aventino lembrou aos amigos: Sois escolhidos, chamados e enviados por Deus em missão.
Um requintado almoço partilhado e regado por saborosos néctares da videira, animou os amigos num alegre e fraterno convívio, seguindo-se, a meio da tarde, o tradicional magusto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *