O Bispo Jia Zhiguo, da Igreja “clandestina” na China, foi preso pela oitava vez desde 2004 por forças da segurança, juntamente com dois padres da sua diocese de Zhengding (Hebei).
O Bispo Jia Zhiguo, da Igreja “clandestina” na China, foi preso pela oitava vez desde 2004 por forças da segurança, juntamente com dois padres da sua diocese de Zhengding (Hebei). O prelado, de 70 anos, já passou duas décadas nas prisões chinesas por causa da sua fidelidade ao Vaticano. a região de Hebei é a zona de maior concentração de católicos na China, com aproximadamente um milhão e meio de fiéis.
a agência do Pontifício Instituto das Missões Estrangeiras, a asiaNews, refere que a polícia justificou a detenção do Bispo com o facto de D. Jia Zhiguo ter de assistir a uma sessão de estudos. a associação Patriótica Católica, reconhecida pelo Governo, tem multiplicado os seus esforços para converter os Bispos ligados ao Papa e a Roma.
Embora o Partido Comunista Chinês se declare oficialmente ateu, a Constituição chinesa permite a existência de cinco Igrejas oficiais (associações Patrióticas), entre elas a Católica, que tem 5,2 milhões de fiéis. Segundo fontes do Vaticano, a Igreja Católica clandestina conta mais de 8 milhões de fiéis, que são obrigados a celebrar missas em segredo, nas suas casas, sob o risco de serem presos.
Vários contactos informais têm sido desenvolvidos desde que Bento XVI sucedeu a João Paulo II, fazendo do estabelecimento de relações diplomáticas com a China uma das suas prioridades. a associação Patriótica Católica, contudo, vê esses novos elementos de diálogo entre a China e o Vaticano como um perigo para a organização.
Octávio Carmo | Ecclesia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *