Basta fixar o nosso olhar numa Europa perdulária em que o interesse por Cristo muito diminuiu, ou mesmo desapareceu
Basta fixar o nosso olhar numa Europa perdulária em que o interesse por Cristo muito diminuiu, ou mesmo desapareceuO grito angustioso e perturbante de Jesus: Tenho ainda outras ovelhas que não pertencem ao meu redil também essas eu devo trazer, ehão deouvir a minha voz; e haverá um só rebanho e um só pastor (João 10,16), ecoa nos corações de todos aqueles e aquelas que a voz do Bom Pastor chamou à sua intimidade no batismo. Talvez hoje mais do que nunca. Não só há ainda grande parte da humanidade que nunca ouviu esse grito do Senhor Jesus, mas várias áreas do mundo, que já viveram essa intimidade com o Senhor, viraram a sua atenção e centraram-se em outros interesses que não visam a união plena entre Salvador e redimidos. Basta fixar o nosso olhar numa Europa perdulária em que o interesse por Cristo muito diminuiu, ou mesmo desapareceu. No seu apelo para o Dia Mundial das Missões deste ano de 2015, o Papa Francisco fala da missão como paixão por Cristo. E continua: Quem se coloca à escuta da voz do Espírito, ouve em seu coração o sussurro de Cristo que diz: Vem’ e vai!’ Quem segue Cristo não pode deixar de tornar-se missionário, e sabe que Jesus caminha com ele, fala com ele, respira com ele, trabalha com ele. Sente Jesus vivo com ele, no meio da tarefa missionária. E missionários bispos, sacerdotes, religiosos/as, diáconos e leigos de todas as idades partem mundo além,altifantesverdadeiros do coração sedento de amor do Senhor Jesus. Uma avalanche salvífica que transforma ódios em carinhos, que segue a Estrela da Evangelização Maria quecalcurrilhouas montanhas da Judeia para levar o Filho Unigénito Salvador a quem dele precisava (cf. Lucas 1,39). Na Igreja, continua Francisco, todos são chamados a anunciar o Evangelho pelo testemunho da vida. De maneira especial, todos os consagrados são chamados a ouvirem a voz do Espírito que os chama a partir para as grandes periferias da missão, entre os povos onde ainda não chegou o Evangelho. as vozes das comunicações invadem todos os perímetros da terra; mas por vezes os sons mais debilmente ouvidos são os do Vem e Vai de Cristo, que se perdem na cacofonia dos sons interesseiros centrados em egoísmos sem lema. Por isso, continua Francisco, é urgente repropor o ideal da missão com o seu centro em Jesus Cristo E quem acolhe, pela graça de Deus, a missão, é chamado a viver de missão num seguimento de Jesus que implique o dom total de si mesmo. Então o anúncio do Evangelho torna-se um anseio de todo o discípulo do Mestre. E se é verdade que todos os seres humanos são objeto do anúncio do Evangelho, Francisco sublinha que os pobres, os humildes e os doentes, aqueles que por vezes são desprezados e esquecidos, aqueles que nada podem retribuir, são os destinatários privilegiados desse anúncio da Boa Nova. Todo o batizado é missionário, e a paixão do missionário é o Evangelho, que é fonte de alegria, liberdade e salvação para cada ser humano E a missão de todo o missionário é colocar a todos numa relação pessoal com Cristo. ajude-nos a todos nós, termina Francisco, Maria, Mãe da Igreja e modelo demissionariedade. E oxalá fosse assim seja para todos nós.