Os delegados que na passada semana participaram numa sessão do comité preparatório para a Conferência Internacional dos Grandes Lagos adoptaram um pacto de não agressão e de mútua defesa.
Os delegados que na passada semana participaram numa sessão do comité preparatório para a Conferência Internacional dos Grandes Lagos adoptaram um pacto de não agressão e de mútua defesa. O encontro decorreu em Luanda, capital de angola e é já o terceiro preparando a conferência.com o apoio das Nações Unidas e da União africana, os delegados tinham a tarefa de analisar e adoptar projectos e protocolos preparados por equipas técnicas que anteriormente se reuniram em Nairobi, Quénia.
Também analisaram o protocolo regional sobre democracia e boa governação, que foi preparado por um dos grupos técnicos.
Osvaldo Varela, porta-voz do encontro, disse à agência de notícias angolana aNGOP que foram analisados os protocolos de cooperação judicial, prevenção e repressão de genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade, assim como todos os tipos de discriminação.
Muito importantes, disse Varela, são os protocolos sobre exportação ilegal de recursos naturais a ser adoptados na região. O principal ponto do programa é a democracia e a boa governação. Para este ponto foi constituído um grupo temático, formando assim o centro regional para a promoção da democracia, da boa governação, dos direitos humanos e da educação civil.
a análise de projectos de desenvolvimento económico e integração regional também foi incluída na agenda. Um destes projectos é a concessão de micro-créditos a países da região.
a região dos Grandes Lagos junta o Burundi, a República Centro-africana, a República Democrática do Congo, o Quénia, o Ruanda, a República do Congo, o Sudão, a Tanzânia, o Uganda e a Zâmbia. Os países vizinhos também foram convidados a enviar delegados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *