Cinco responsáveis da gestão de emergências enfrentam uma acção disciplinar por permitir que 230 toneladas de ajuda alimentar apodrecessem num armazém militar em Katima Mulilo.
Cinco responsáveis da gestão de emergências enfrentam uma acção disciplinar por permitir que 230 toneladas de ajuda alimentar apodrecessem num armazém militar em Katima Mulilo. Esta é a cidade capital da região de Caprivi, profundamente afectada pela seca. O vice primeiro-ministro, Libertina amathila, de acordo com um jornal local, já deu instruções ao Ministério do Governo Regional e Local para começar uma acção de disciplina contra os cinco funcionários da Unidade Regional de Gestão de Emergências de Caprivi. No entanto, negou-se a dar o nome das pessoas envolvidas.
amathila afirmou que o governo ficou chocado ao descobrir que em Junho, 18. 400 sacos de milho não foram distribuídos às pessoas necessitadas. as inundações provocadas pelo rio Zambezi no ano passado forçaram a deslocação de milhares de pessoas.
O governo só tomou conhecimento de que os sacos de milho estavam a apodrecer e a ser comidos pelos ratos quando foram alertados pelo condutor de um camião que acabava de fazer uma nova entrega.
Entretanto, a Unidade de aviso Inicial de Emergência já advertiu que a região de Caprivi vai precisar de ajuda alimentar urgente depois de perder a colheita de milho devido à seca e às inundações. É uma produção 76 por cento menor que no anterior: as inundações obrigaram a semear mais tarde e a seca destruiu a colheita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *