a sociedade espera dos sacerdotes uma mensagem «marcada» pela fé, o que «exige muita coragem», sublinhou Jorge Ortiga, arcebispo de Braga, durante uma celebração de ordenação sacerdotal
a sociedade espera dos sacerdotes uma mensagem «marcada» pela fé, o que «exige muita coragem», sublinhou Jorge Ortiga, arcebispo de Braga, durante uma celebração de ordenação sacerdotalabílio Brito, de 48 anos, Dayakar Thumm, de 36, e Nuno Oliveira, com 27, foram ordenados presbíteros no último domingo, 21 de julho. a celebração de ordenação sacerdotal decorreu na Cripta da Basílica do Sameiro e foi conduzida por Jorge Ortiga, arcebispo primaz de Braga. Durante a homilia, intitulada Sacerdotes ao estilo conciliar, o prelado alertou para as consequências de um grande ativismo pastoral.
Um dos maiores erros que nós, sacerdotes, podemos cometer na atualidade é o denominado ativismo pastoral, afirmou. Por vezes, gostamos de atestar os nossos programas pastorais com inúmeras datas de atividades, só que corremos o risco de não ter capacidade de executar atempadamente o planeado e depois desculparmo-nos com a crítica alheia, começando por perder a tranquilidade indispensável a um serviço pastoral com qualidade, acrescentou Jorge Ortiga.
Para o arcebispo de Braga, os sacerdotes devem começar o trabalho pastoral pelo essencial, que é a fé, sem medo da crítica e do confronto intelectual. O mundo espera de nós uma mensagem diferente, nitidamente marcada pela fé que exige muita coragem, sublinhou.
Por último, o prelado louvou a vocação de abílio Brito, Dayakar Thumm, e Nuno Oliveira, e agradeceu a coragem dos três por aceitarem este desafio sacerdotal. além disso, agraciou os pais pelo dom da vida, as comunidades pela vocação, os seminários pela formação e as comunidades de estágio pela maturidade implementada. Jorge Ortiga lançou ainda um desafio aos três: sede alegres no vossos ministério e conquistai o coração de outros jovens para que não tenham medo de seguir Jesus.