Os portugueses estão a progredir na luta contra a discriminação racial, segundo a Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância. Os casos de «hostilização» contra os ciganos é que continuam preocupantes
Os portugueses estão a progredir na luta contra a discriminação racial, segundo a Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância. Os casos de «hostilização» contra os ciganos é que continuam preocupantes Um relatório europeu sobre racismo e intolerância considera que Portugal está a evoluir no combate à discriminação racial, mas continua a registar casos preocupantes de hostilização e abusos de polícia contra as pessoas de etnia cigana. No estudo anterior, publicado em 2007, a Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância (ECRI) chamou a atenção às autoridades portuguesas para que as queixas de alegados maus-tratos a ciganos fossem sujeitas a inquéritos aprofundados e os infratores punidos. Seis anos depois, os responsáveis da ECRI, citados pela agência Lusa, lamentam continuar a receber relatos deste tipo de casos, reportados pelas organizações não governamentais e que dão a entender que mais de metade dos ciganos consideram-se vítimas de discriminação ou de maus-tratos por parte da polícia. Embora reconheça o papel positivo da polícia na luta contra o racismo e a discriminação racial e na promoção dos direitos humanos, o organismo do Conselho ds Europa desafia as autoridades a efetuarem um inquérito sobre a possível existência de uma cultura institucional de racismo ou discriminação racial no seio da polícia. a ECRI recomenda ainda a Portugal que simplifique e acelere os procedimentos que se seguem à apresentação de uma queixa por discriminação racial junto do alto Comissariado para a Imigração e o Diálogo Intercultural (aCIDI) e reduza o tempo de retenção nos postos de fronteira dos requerentes de asilo.