Para vencer a crise económica e financeira, a Comissão Nacional da Pastoral Operária considera que é preciso «procurar propostas arrojadas», como, por exemplo, «a redução dos tempos de trabalho e a idade das reformas»
Para vencer a crise económica e financeira, a Comissão Nacional da Pastoral Operária considera que é preciso «procurar propostas arrojadas», como, por exemplo, «a redução dos tempos de trabalho e a idade das reformas» a Comissão Nacional da Pastoral Operária (CNPO), que reúne vários organismos da Igreja Católica, considera que é necessário procurar propostas arrojadas para vencer a crise como, por exemplo, a redução dos tempos de trabalho e a idade das reformas. Temos o dever de ser audazes em implementar e experimentar uma nova vivência social, baseada nos valores cristãos, onde se possa testemunhar que uma outra organização económica e social e política é possível, tem de ser possível, afirmam os responsáveis da instituição.
Em comunicado, a CNPO alerta para as consequências do desemprego e da precariedade sobre as famílias. Não se pode ignorar que se tem agravado a precariedade em que vivem muitas crianças e adolescentes no país, tanto a nível material, como a nível afetivo em resultado da desagregação familiar, associada à procura pelos pais de emprego noutros países e/ou pelas dificuldades económicas no seio das famílias portuguesas, refere américo Monteiro, coordenador nacional da comissão.
Na mesma nota, citada pela agência Ecclesia, a CNPO lamenta o agravamento dos impostos, a diminuição dos salários dos trabalhadores [e] o empobrecimento do país. Para a comissão, as dificuldades crescentes na vida das pessoas podem levar a efeitos imprevisíveis. Esta instabilidade tem levado a que os jovens, muitos até com estudos elevados, deixem o país porque não encontram aqui oportunidades de trabalho nas suas áreas de formação nem noutras, pode ler-se no documento.