Caso não renove a sua ligação com os jovens, a Igreja da Europa «está naturalmente destinada a desaparecer», afirma armando Matteo, autor do livro « a primeira geração incrédula»
Caso não renove a sua ligação com os jovens, a Igreja da Europa «está naturalmente destinada a desaparecer», afirma armando Matteo, autor do livro « a primeira geração incrédula»

Excertos da obra a primeira geração incrédula, de armando Matteo, estão a ser apresentados esta sexta-feira, 21 de junho, em Fátima, no âmbito da nona Jornada Nacional da Pastoral da Cultura, que está a decorrer a partir do tema Culturas Juvenis Emergentes. Os jovens já não são os de antigamente, é um dos temas sobre os quais se debruça o livro editado pela Paulinas.

Nesta passagem, o autor alerta para a importância da renovação da Igreja no velho continente. Se não renovar a sua ligação com as novas gerações, a Igreja da Europa está naturalmente destinada a desaparecer. Sem jovens, com efeito, as paróquias morrem, por simples falta de reposição de gerações, frisa, adiantando que a Igreja precisa de mudar de rumo para atrair os mais novos.

Segundo armando Matteo, as atuais estratégias para retomar o diálogo com as novas gerações não se estão a revelar muito convincentes, e não são eficazes. Para ilustrar a sua ideia, o autor dá o exemplo do horário das missas dominicais existente na maior parte das paróquias, e explica que o mundo atual se tornou mais noturno e menos fascinado pela madrugada, e gosta de ir para a cama precisamente com as primeiras luzes da aurora.

Os jovens mudaram porque o mundo mudou; o Ocidente mudou, a família mudou, a escola mudou… ; porque não havia de mudar também a Igreja?, questiona armando Matteo, segundo o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura. Para o autor, o passo a dar consiste em transformar as comunidades eclesiais, de modo particular as paróquias, mas também, as associações e os movimentos, em lugares onde se aprenda a acreditar e a rezar.