O Evangelho deste domingo «roda» à volta de duas personagens centrais, para além de Jesus, que é sempre o centro de todo o Evangelho. De um lado temos a figura do fariseu e do outro lado uma mulher pecadora
O Evangelho deste domingo «roda» à volta de duas personagens centrais, para além de Jesus, que é sempre o centro de todo o Evangelho. De um lado temos a figura do fariseu e do outro lado uma mulher pecadoraSimão, o fariseu, convida Jesus para ir comer em sua casa, demonstrando que entre Jesus e os fariseus havia uma relação de proximidade, apesar de todas as controvérsias. Jesus aceita o convite. É exatamente na casa de Simão, que é apresentada a outra personagem: uma mulher, uma pecadora que vivia na cidade. São estas as únicas informações relativas à identidade desta personagem. Não se sabe se já tinha encontrado Jesus previamente, embora seja provável. ao saber da presença de Jesus na casa de Simão, tem uma atitude inusitada. Entra e derrama perfume nos pés de Jesus, banha-os com as suas lágrimas e enxuga-os com os cabelos. Perante tal acontecimento, Simão fica escandalizado e logo pensa que Jesus não pode ser um profeta.como poderia um profeta permitir que uma pecadora fizesse tal coisa? Jesus confronta o pensamento de Simão com a parábola do credor que tinha emprestado dinheiro a duas pessoas: uma grande quantia a uma, e uma quantia menor à outra. acabou, porém, por perdoar às duas. Qual das duas se sentiria mais agradecida? É fácil responder. Jesus extrai então as consequências: aquela mulher estava a demonstrar todo o agradecimento pelo perdão recebido, enquanto Simão ainda nem sequer tinha reconhecido o seu pecado. Na verdade, o Evangelho apresenta as duas personagens como dois estereótipos: enquanto um (Simão) julga ser justo e senhor do seu lugar, a mulher sabe que foi perdoada e não merece nada, porque tudo lhe foi dado por amor; reconhece, por isso, o enorme amor e misericórdia de Jesus por ela. É deste reconhecer que nasce para ela uma vida nova.