Especialistas em informática têm atacado as contas nas redes sociais dos grandes meios de comunicação ocidentais, pirateando o sistema para fazer passar mensagens do regime de Bashar al-assad
Especialistas em informática têm atacado as contas nas redes sociais dos grandes meios de comunicação ocidentais, pirateando o sistema para fazer passar mensagens do regime de Bashar al-assad É conhecido como o exército eletrónico, não usa bombas nem armas de fogo, mas faz-se valer dos conhecimentos em informática para atacar as contas nas redes sociais dos principais órgãos de informação ocidentais e transmitir mensagens do regime do Presidente sírio, Bashar al-assad. Conseguimos piratear todos os meios de comunicação mais importantes do mundo, vangloriou-se um porta-voz desta força secreta, através do correio eletrónico, à agência France Press. a ofensiva baseia-se numa tática quase tão antiga como a internet: os hackers enviam um e-mail que se assemelha ao de um amigo ou conhecido e quando o destinatário o abre, deixa desprotegidas informações confidenciais, entre elas as palavras chave das redes sociais. a agência norte-americana associated Press terá sido uma das vítimas. através da conta de Twitter da agência, os ciberpiratas colocaram uma falsa mensagem que Barack Obama tinha sido atacado e o índice bolsista Dow Jones esteve à beira do colapso, até Wall Street perceber que a mensagem era falsa. Seguiram-se outros ataques às redes sociais da BBC, da al Jazira, do Financial Times, ou do The Guardian, onde foram difundidos vídeos que mostravam soldados assinalados como combatentes da oposição executando militares do exército governamental sírio. O porta-voz do movimento assegura que o grupo dispõe de milhares de voluntários, a maioria jovens, que trabalham de forma gratuita. Os simpatizantes da oposição têm opinião contrária. alegam que o exército eletrónico representa uma ala do governo de assad e que há membros a receber entre 500 a 1. 000 dólares por mês. Sustentam ainda que estarão a ser ajudados por especialistas russos. Entretanto, o Twitter reforçou as suas medidas de segurança, criando um novo sistema de verificação de palavras passe.