O Santo Padre aprovou a publicação do decreto que reconhece as «virtudes heroicas» de João de Oliveira Matos, bispo auxiliar da Guarda, que se empenhou na «formação dos leigos»
O Santo Padre aprovou a publicação do decreto que reconhece as «virtudes heroicas» de João de Oliveira Matos, bispo auxiliar da Guarda, que se empenhou na «formação dos leigos» O Papa aprovou esta terça-feira, 4 de junho, a publicação do decreto que reconhece as virtudes heroicas de João de Oliveira Matos (1879-1962), bispo auxiliar da Guarda. Esta é uma etapa do processo que leva à proclamação de um fiel católico como beato, e permite que, após o reconhecimento de um milagre atribuído à sua intercessão, tenha lugar a sua beatificação, penúltima etapa para a declaração da santidade. a figura deste homem é a de um verdadeiro pastor, afirmou antónio Moteiro Ramos, atual bispo auxiliar de Braga e vice-postulador da causa de canonização. Para o prelado, este momento é uma graça muito grande. Em declarações à agência Ecclesia, antónio Moteiro Ramos identificou João de Oliveira Matos alguém que se comprometeu em particular na formação dos leigos. O processo do bispo português, fundador da Liga dos Servos de Jesus, consta de 23 volumes e foi entregue em Roma, em 1998. a canonização é a confirmação, por parte da Igreja, que um fiel católico é digno de culto público universal e de ser apresentado aos fiéis como intercessor e modelo de santidade.