a autoridade palestiniana tem estado a braços com uma crise: controlar o movimento Hamas, que contí­nua a lançar ataques contra Israel. Finalmente anunciaram um acordo entre as duas partes.
a autoridade palestiniana tem estado a braços com uma crise: controlar o movimento Hamas, que contí­nua a lançar ataques contra Israel. Finalmente anunciaram um acordo entre as duas partes. O partido palestiniano em governo, Fatah, e o grupo militante Hamas concordaram pôr termo aos já vários dias de luta entre as duas facções no norte de Gaza. Os líderes de ambas as partes anunciaram o acordo numa conferência de imprensa dada na cidade de Gaza.
Duas pessoas morreram e várias mais ficaram feridas durante lutas armadas entre militantes de ambas as partes. Os confrontos ocorreram quando as forças da autoridade Palestiniana avançaram depois do Hamas ter lançado um ataque contra Israel.
“Os movimentos concordaram em parar com os confrontos e violência e por termo a toda a presença armada e todos os assuntos que possam conduzir ao aumento da tensão entre os dois lados”, disse o líder da Fatah e ministro palestiniano Sufian abu Zaida.
O líder local do Hamas Mizar Rayyan acrescentou: “Concordámos retirar todas as forças armadas das ruas do norte de Gaza… Nada é melhor que a nossa unidade contra o nosso inimigo”.
Segundo os correspondentes da BBC a causa da tensão são os esforços feitos pela autoridade palestiniana para fazer respeitar o cessar-fogo acordado com Israel. Hamas lançou mais de uma centena de ataques em Gaza e nos arredores, contra o que eles consideram uma agressão de Israel, que enviou milhares de tropas para as fronteiras de Gaza, ameaçando avançar.
Hamas diz estar comprometido com o cessar-fogo não oficial com Israel, mas afirma manter o direito à “resistência e à autodefesa”.
a autoridade Palestiniana está sob pressão para controlar os militantes num tempo que é crucial para as negociações com Israel para a retirada da Faixa de Gaza. Hoje, 20 de Julho, foi anunciada a recusa do parlamento israelita para atrasar a retirada de Gaza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *