Na diocese de Viseu, o número de seminaristas atingiu o mínimo histórico, dados que preocupam o bispo diocesano. a redução do número de alunos vai levar ao encerramento do Instituto Superior de Teologia da mesma cidade
Na diocese de Viseu, o número de seminaristas atingiu o mínimo histórico, dados que preocupam o bispo diocesano. a redução do número de alunos vai levar ao encerramento do Instituto Superior de Teologia da mesma cidadeO número de seminaristas atingiu o mínimo histórico na diocese de Viseu. Os seminários Menor e Maior têm apenas cinco alunos cada, e, no próximo ano letivo serão apenas nove, uma vez que um dos estudantes será ordenado sacerdote, e não está prevista a entrada de nenhum. Ilídio Leandro, bispo diocesano, admitiu que estes dados são preocupantes, mas adiantou que são o resultado visível do que tem visto nas visitas pastorais: não há crianças, adolescentes e jovens. as freguesias não têm escolas nem jardins de infância, porque não há crianças para as frequentarem. Não há casamentos e os poucos batizados realizam-se apenas no verão, por ocasião das férias dos emigrantes, que vêm batizar os filhos na sua terra natal, afirmou, citado pelos serviços de comunicação diocesanos. a diminuição da natalidade é assustadora, não apenas para o número de seminaristas, mas sobretudo para o futuro do nosso país, disse o prelado. apesar de tudo, o número de ordenações que se registaram desde que sou bispo, ainda tem estado acima do que acontece noutras dioceses, algumas bem maiores que a nossa, acrescentou. Contudo, o prelado mantém a esperança: é difícil, mas se trabalharmos quanto devemos, não faltarão vocações. À semelhança do Instituto Superior de Estudos Teológicos de Coimbra, encerrado há dois anos, o Instituto Superior de Teologia de Viseu, que presta formação teológica aos candidatos ao sacerdócio, vai encerrar devido à redução do número de seminaristas. Os vinte e seis alunos previstos para o próximo ano letivo e a perspetiva centralista da Universidade Católica levou-a a terminar com a sua vinculação ao Instituto, decidindo manter apenas as Faculdades de Teologia de Lisboa, Porto e Braga, explicou Ilídio Leandro.